terça-feira, 27 de dezembro de 2011

De malas prontas!!

Pois é, estou com minhas malas prontas!!
Enfim chegou o tão esperado dia da minha turbulenta viagem.
Como é engraçado alguns fatos na nossa vida, nunca programo as coisas que vou fazer com muita antecedência, sempre é tudo meio de última hora, a gente resolve corre atrás do prejuízo. Este ano que resolvi mudar e começar a me programar bem antes, ser uma pessoa certinha quase me ferrei.
Mas no fim  tudo se resolve e vamos em frente com nossos planos, afinal o show tem que continuar.
Nunca falei sobre isso, mas se tem uma coisa nessa vida que eu amo fazer, essa coisa é viajar. Para mim é uma das melhores coisas da vida, são momentos que ficam eternamente gravados na nossa memória e no nosso coração. Momentos em família que jamais serão tirados de nós. Adoro desde o início, da preparação, gosto de cuidar de todos os detalhes, que não são pouco, mas amo fazer isso e faço com prazer. E durante a viagem ainda sou a fotógrafa oficial, tiro foto de tudo. A D O R O ! !
Brinco com minhas amigas que tenho o Kit Viagem preparado, é só falar em viajar que pego meu kit e caio na estrada. Se bem que este ano ele ficou mais guardo do que nunca, deve até estar embolorando por falta de uso.
Agora é me preparar e cair no mundo, afinal 2012 me espera!!

Papai do céu, espero de 2012 seja um ano maravilho, que venha repleto de coisas boas, saúde, alegrias e realizações. Que 2011 fique para sempre guardado como um ano de aprendizagem e que sirva de lição que nesta vida, nada é mais importante do que ter saúde, o resto a gente conquista, corre atrás, mas saúde é o mais importante.

A todos que me seguem, um Ano Novo Maravilhoso!!
Até 2012!!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Novo ciclo - 1ª sessão Taxol

Depois da semana repouso total, fui liberada para minha 1ª sessão de taxol.
A partir de agora o tratamento será feito em 4 ciclos, onde cada ciclo é composto por 3 aplicações semanais do taxol seguindo de uma semana de folga. Isso vai durar em média uns 4 meses de tratamento.
Estava ansiosa para começar esta nova etapa do tratamento.
Porém tive que fazer uma alteraçãozinha e neste primeiro ciclo acabamos optando por um outro protocolo único no 1º ciclo, para que eu pudesse dar andamento em uma viagem de férias com a família que estava programada desde antes da minha doença.
Essa viagem rendeu muito assunto desde a descoberta do meu CA até a decisão de não cancelarmos a viagem.
Falei com minha médica que me orientou a não cancelar, que se tudo estivesse correndo como tem sido nestes meses de tratamento eu poderia sim viajar tranquila e seria até bom para dar uma desligada de tudo e uma revigorada.
Então, como o combinado fui lá e fiz minha primeira sessão tripla de taxol.
Até agora estou normal, não senti nada de reação, tenho me sentido bem por enquanto. Fiz a sessão ontém, e a única coisa que reparei é que demora bem mais do que as outras. Leva quase 4 horas de aplicação, dá uma nhaca ficar lá todo esse tempo...
Mas beleza, vamos em frente, é o que temos então não vale reclamar né, o que são 4 horas perto de ter a chance de me tratar e seguir com a minha vida?! Nada né, olhando por esse lado ficaria 100 horas!!!
Agora é fazer aquele repousinho básico e guardar energias para minha viagem de férias. Vou dia 27/12 e volto dia 11/01. Vamos passar o Reiveillon em Orlando, na companhia do Mickey conforme tínhamos planejado desde o início do ano de 2011, e não vai ter doença que me segure!
Que venham as férias, que venha o Natal cheio de Boas Novas e que o Papai Noel me reserve um presente maravilhoso, o sucesso no meu tratamento, é só isso que eu quero, saúde sempre!!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Semana do Repouso

Quando eu falo que a minha vida, nos últimos meses, virou uma caixinha de surpresas as pessoas acham que é exagero...
Nesta segunda fui a clínica para iniciar a tão sonhada 2ª etapa do meu tratamento. 
Cheguei toda animada e quando a a médica viu meu exame de sangue me mandou de volta pra casa... Pode???
Poooode sim!!! Simplesmente pelo fato da minha imunidade estar lá embaixo. Meu sangue resolveu se rebelar e eu me ferrei... Resultado: repouso absoluto por uma semana e nada de colocar nem o nariz na porta, nem pra ver se tá chovendo...
Dá pra acreditar, eu achando que tava batendo um bolão, toda animadinha e tomo uma balde de água fria na cabeça??
Enfim, passei a última semana de repouso, para ver se minhas células sanguíneas param de frescura e começam a trabalhar a todo vapor para produzir células novinhas em folha e bonitinhas.
Segui a parte do repouso a risca, afinal adoro repousar...
Hoje de manhã fui fazer meu exame de sangue e se tudo estiver normalizado segunda feira começo a nova etapa.
Agora é esperar pra ver o resultado, pra variar, esperar, esperar, esperar...
beijo e adivinha o que eu vou fazer agora??
REPOUSAR!!!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Alguém anotou a placa??

Nooossa!! Definitivamente a combinação quimioterapia + antibiótico + contraste para cintilografia não combinam... Se alguém oferecer não aceitem!!!
Que final de semana cruel...Literalmente de cama, dormi tanto que quando acordava nem sabia onde estava, perdidona...
Dor no corpo, enjôo, dor de cabeça, nhaca total, vontade de fazer nada, absolutamente nada, e como não gosto de ser contrariada foi isso o que fiz, o que meu corpo pedia: NADA!!
Não vi a cara do Luciano Huck, não vi o Faustão nem de relance...
Meu fim de semana foi assim, só troquei de camisola, tirei uma pra por a outra, e de calcinha, é claro, me permiti uma banho para voltar a dormir mais relaxada.
Agora estou recuperada, depois da fase "cama, mesa e banho", traduzindo, "acordar, comer, tomar banho e dormir", estou bem melhor.
Aquela preguiça latente ainda permanece é claro, mas já estou acostumando com ela, tô até começando achar ela gostosinha.... rsrs
Bom, por fim, vamos seguindo firme e forte igual gelatina...
Beijo, me liga!!
Vou deitar que já estou com preguiça...

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

4ª e última Quimio "vermelhinha" e teste psicológico...

Ontem fiz a minha 4ª sessão e última da quimio vermelhinha, a famosa bomba doxorrubicina + ciclofosfamida,  adeus dupla dinâmica, espero não te encontra tão cedo...
Dá um certo alívio, saber que uma parte do tratamento já se foi e agora começa uma nova etapa. Uma sensação de dever cumprido. E vamos para a próxima batalha!!
Normalmente fazer as aplicações de quimio são tranquilas, faço na própria clínica da oncologista e o ambiente é muito bom, aconchegante para o que se destina né...
Mas ontem foi meio punk, sentei e já tinha uma senhora tomando o medicamento dela, dei bom dia e fiquei na minha esperando meu "drink havaiano" (pensando assim fica mais fácil a espera)rs.
A mulher começou a conversar e junto com a conversa começaram as queixas, que ela estava cansada, que era muito difícil, que estava entrando em depressão, que o caso dela era uma recidiva e que ela estava desistindo, e blábláblá. Fiquei com pena e claro, como minha língua não consegue ficar dentro da boca, comecei a falar.
- Olha não fique assim, tem que ser forte, se animar, encarar o tratamento, sei que é difícil mas tem que lutar, ainda que temos a opção de se tratar, tanta gente se recupera, tem muita coisa nova vindo por aí, as pesquisas estão cada vez mais avançadas e blábláblá (não deixei barato e também despejei meu blábláblá né...)
Aí, não convencida claro, pois ela estava certa de que a vida era uma droga e que tinha que me convencer daquilo também, começou a falar:
- Olha, não se anima pq essa doença não tem cura... (pau, direto de direita na minha fuça!), a gente se torna escrava dela e toda hora que vc acha que está bem, aparece uma coisa nova, é pro resto da vida, a gente vai morrer disso, e lá foi mais um monte de blábláblá, falou até mal do Gianecchine e do Lula, que estão sempre rindo e felizes pq ainda não caíram na real (essa eu achei que foi uma indireta...)
Eu, que não sou boba nem nada fiquei quieta, pois minha psicologia tem uma certa limitação e achei que se argumentasse com ela naquele momento de fúria em que se encontrava, estava correndo o sério risco dela me fazer engolir literalmente meu drink vermelhinho e sem gelo.
Depois que ela se acalmou, e acho que viu o quão alterada estava e o tanto de m... que falou, tentou um assunto mais ameno pra ver se eu ainda estava viva ou se tinha enfartado lá mesmo, na minha relaxante cadeirinha.
Acabei ficando com mais pena dela, pois realmente está num processo depressivo a olhos vistos, e rompi meu silêncio (que a essa altura deve ter durado uns "longos" 10 minutos, que é meu limite máximo) e comecei a conversar com ela.
Falamos bastante, sobre a vida, as escolhas, filhos, família, o quanto a cabeça da gente muda depois de uma certa idade, e a conversa se desenrolou até que ela se animou um pouco.
Sei que no fim, ela estava rindo, falando dos bichos que ela tem, e acabou me dando um beijo pra se despedir, eu até estranhei a mudança, mas fiquei feliz por ela.
Não deu 2 minutos e desceu uma outra paciente, eu lá quietinha, esperando aqueles pingos infindáveis acabar pra ir embora.
Ela sentou do meu lado e já me perguntou se eu me incomodava se ela tirasse a peruca. Respondi que não, é claro, e aí percebi que aquele, realmente, não era o meu melhor dia...
Ela tirou a peruca, começou a coçar e coçar e coçar aquela careca, e junto começaram as reclamações, lógico.
- A gente vira um "nada" depois que descobre essa doença né...
Eu quieta, só dei um sorriso, pois minha experiência anterior não havia sido muito boa...
Aí ela continuou,
- É um horror, não consigo me olhar no espelho até hoje, não me aceito assim sem cabelo, é mais forte que eu, tinha um cabelo longo, estava com um megahair até a cintura, a coisa mais linda (será? naquela idade? Abafa o caso...), aliás, nada na gente é mais nosso, tudo se torna artificial, o cabelo é falso, as unhas são falsas, os peitos são falsos, nada é natural e nosso de verdade, nos reduzimos a um "ser artificial"... (cruel essa né...)
Só concordei, dei uma risadinha, aqui outra ali, e larguei o pepino para a Luciana, a enfermeira que nos acompanha, descascar dessa vez.
Mas fiquei pensando, pois ela tinha um lábio lotado de silicone ou sei lá oque, mas com certeza aplicou qualquer coisa ali era fato, a testa era puro botox, as unhas ela comentou que fez num lugar perto do aeroporto que já estava acostumada e sempre fazia a unha de gel, pois é pratica, dura, etc. então já usava ...
Aí pensei, CARAMBA! Como as pessoas são engraçadas, nunca estão satisfeitas com nada, quando ela estava boa, se enchia de botox, aplicação nos lábios, alongamento nos cabelos,  unhas de porcelana, e isso tudo não era artificial? Naquela época não incomodava o fato de estar com um monte de coisas artificias? Só agora se tornou um "ser artificial"?
Então, se é pra se lamentar por ter esse monte de coisas artificiais que ela citou, imagina a Angela Bismark e tantas outras modelos e atrizes, que devem ter mais silicone no corpo do que o sangue? Só porque elas não estão com CA, não é artificial?
Concluí que as mulheres nunca estão satisfeitas, quando estão bem, reclamam que estão gordas, aí operam sem reclamar, sofrem as dores felizes, colocam alongamento nos cabelos,  colocam silicone, aplica isso, aplica quilo, se enche de coisa e se acha linda. Agora, se for necessário, aí ela não quer usar nada disso, quer sua beleza natural.
Que ser complexo que é o bicho MULHER!
Claro que não me excluo totalmente de muitas coisa que citei acima, faço parte desse grupo, pois nasci mulher, mas não fico reclamando de ter que usar peruca ou qualquer outra coisa para melhorar a aparência nesta fase por pura necessidade e não por minha vontade. Uso, incomoda? Sim me incomoda as vezes, mas uso pois preciso.
Poxa, temos que agradecer todos os dias o fato de existir cabelos postiços, cilios postiços, unhas postiças, tetas postiças (dessas eu não precisei), etc...
É a tecnologia usada ao nosso favor!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

23/11 - Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil

Em 2008, a Lei nº 11.650, datada de 4 de abril, instituía o dia 23 de novembro como Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil. Entre os principais objetivos que culminaram na criação dessa data estão estímulo a ações educativas e preventivas associadas à doença, promoção de debates e outros eventos sobre as políticas públicas de atenção integral às crianças com câncer, difusão dos avanços técnico-científicos relacionados com a doença e promoção de apoio para crianças e seus familiares.
As preocupações previstas nos objetivos da Lei são totalmente fundamentadas nos números divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Estima-se que 70% das crianças com câncer possam ser curadas quando ocorre o diagnóstico precoce. A cada ano, são estimados mais de 9 mil novos casos de câncer infantojuvenil, configurando a segunda causa de mortalidade proporcional entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos.
É configurado como câncer infantil um grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais, a qual pode ocorrer em qualquer local do organismo. Entre os tipos mais comuns da doença nessa faixa etária estão leucemia, tumores do sistema nervoso central e linfomas. Enquanto nos adultos a doença afeta, em geral, as células do epitélio, que recobrem os diferentes órgãos (é o caso do câncer de mama e o de pulmão), nas crianças são mais comumente atacadas as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação. Além disso, enquanto em adultos a doença se relaciona com fatores externos, como, por exemplo, o fumo, nas crianças não existe essa evidência. Assim, a prevenção torna-se ainda mais complicada e o foco volta-se de vez para o diagnóstico precoce e o tratamento.
É importante, portanto, estar atento ao aparecimento de sintomas que podem ser sinais da doença. Quanto mais cedo for a procura pelo tratamento médico, maiores serão as chances de cura. Procure um especialista caso seu filho apresente:
  • perda de peso;
  • manchas roxas e sangramento pelo corpo, sem machucados;
  • vômitos acompanhados de dor de cabeça, diminuição da visão ou perda de equilíbrio;
  • caroço em qualquer parte do corpo, principalmente na barriga;
  • palidez;
  • febre prolongada, sem causa identificada;
  • dores nos ossos e nas juntas, com ou sem inchaços;
  • crescimento do olho, podendo estar acompanhado de mancha roxa no local.
Lembre-se de que o tratamento do câncer começa com um diagnóstico correto. Ao avaliar o caso da criança, o médico solicitará os exames laboratoriais e de imagem necessários para avaliar o estado de saúde do paciente e identificar o problema. O tratamento deverá sempre ser feito em local especializado e compreende três modalidades principais: quimioterapia, cirurgia e radioterapia. Além dos medicamentos, é indispensável para a cura a participação e o apoio de familiares e amigos. O bem-estar e a qualidade de vida dessas crianças e adolescentes estão em primeiro lugar.

Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039RJ)
Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)

Curiosidades...

Gente, semana passada fui a uma loja de brinquedos comprar um presente e olha a boneca que encontrei

Esta é a Analú Sorinho, kkk (o nome é engraçado...)

Ela está em tratamento médico e toma soro na veia (aliás tem um baita furo enorme no braço que achei um exagero). O soro fica pingando igualzinho o de verdade... me identifiquei com ela...kkk

Mas, enfim, para uma criança que está fazendo um tratamento traumático como uma quimioterapia é bem interessante, afinal vai ter companhia sempre!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Quem abusa se lambuza?! Não, se ferra mesmo...

Gente, eu realmente sou uma cabeçuda...
Lembra do Rafinha que estava marcado pra pintar na área na segunda feira, pois é, ele chegou lindo e forte, Graças a Deus, uma coisa fofa, mas que deu uma canseira tão grande na gente.
O cara nasceu só as 11:30, e acabou indo pro quarto só as 19:00 hs, enquanto isso eu lá, o dia todo no hospital esperando,  pois queria ver ele de pertinho de qualquer jeito.
Resultado: esqueci de tomar bastante água (de preferencia todas estas garrafas aí de cima), como é recomendado após fazer as sessões de quimio,  acabei não indo ao banheiro quase que o dia inteiro e, claro, ganhei uma cistite (infecção de urina) nervosíssima!!
Juntou que acho que fiquei muito tempo de pé, com a cistite e com a nhaca que dá depois da quimio, que eu fiz na última quinta, eu quase morro de tanta dor. Doía tudo, o corpo, as pernas, a bexiga, tudo ao mesmo tempo, passei uma noite de cão, levantava a cada 10 minutos pra fazer um xixi que não existia, só algumas gotinhas que só eu sei o quanto me custou para sair....
Agora estou aqui, de cama, me recompondo da maratona, tomando antibiótico e prometendo pro universo que nunca mais vou esquecer de beber água.
E ainda por cima vou ficar sem ver o Rafinha hoje... que droga...me ferrei!
Uma coisa tão simples que me custou tão caro! Era só beber água...
Vamos lá rins, se preparem para trabalhar, pois agora sou da turma dos 2 litros de água por dia.
Vou andar com um garrafão a tira-colo.
Água, água, água!!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

A espera do Rafael!!

Nooossa!! Estou feliz da vida e super ansiosa,  pois meu mais novo sobrinho nasce nesta segunda feira dia 07/11. É... a família está crescendo!!
Depois de uma gravidez "super animada", com váaaarios acontecimentos, finalmente as coisas se acalmaram, na medida do possível, e a Dani vai ter nosso tão esperado e já amado Rafael.
Sempre falo pra Dani, que o Rafa deve achar que ela é médica, pois passou a maior parte dessa gravidez atrás de visitar o povo no hospital.
Primeiro um estágio prolongado de visitas diárias na UTI do hospital TotalCor, graças ao meu pai, depois mais um longo período de visitas diárias no hospital, agora já no quarto, também proporcionados pelo Sr. Michele, vulgo meu pai ou nôno. Enfim alta e tudo se normalizou, certo??? Errado!!
Na mesma semana ofereci a ela e a toda família a agradável espera de uma cirurgia que durou horas e horas e deixou todos apavorados. Depois disso proporcionei a ela e a minha outra irmã Adriana a dura tarefa de dar a notícia do meu CA para minha mãe e meu pai... coitadinhas!
Agora está tudo acabado certo?? Errado de novo!!!
Depois de 20 dias fui internada e ofereci em primeira mão, a ela e a toda família, a agradável oportunidade de retomar as tão famosas "visitas hospitalares da família Dell'Arno".
Neste meio tempo, o Rafael foi crescendo, crescendo, sempre protegido dentro daquela barriga redondinha. Foram tantas visitas em hospital que o coitadinho deve estar lá dentro achando que ela é médica ou enfermeira, afinal, hospital todos os dias só pode ser a trabalho né...
Mas agora o que importa é que ele está para chegar, com saúde, lindo, fofo, gostoso, cheiroso, o bebezão da titia!!
Estamos todos na maior expectativa, afinal o último bebê da família nasceu a 09 anos.

Seja bem vindo Rafael! 
Tenha a certeza de que você será muito amado e protegido por todos.
Venha ocupar o seu lugar á nossa mesa, que já está superlotada, mas com o
seu lugarzinho reservado. Você é o nosso 12º integrante!
Venha encher a nossa casa de alegria, iluminar nossos dias e completar 
esta família maravilhosa que já te ama tanto!!



quarta-feira, 19 de outubro de 2011

2ª Sessão de Quimio

Na quinta feira, dia 13/12 fiz minha segunda sessão de quimio.
Pensando pelo lado positivo, já fiz a metade das vermelhinhas... agora só faltam duas!
Olha, não posso reclamar não, desta vez eu estava tomando omeprazol direto, pois havia ficado com azia da outra vez e por incrível que pareça não tive nada, absolutamente nenhum enjôo, azia, nada até agora.
Que remedinho maravilhoso, tô tomando todo dia logo que acordo um comprimido, claro que com o consentimento da minha médica, e essa segunda sessão de quimio passou desapercebida até agora.
E olha que nem dieta estou fazendo, tenho comido normalmente, de tudo.
É como todo mundo fala, depende de cada organismo, cada um reage de um jeito, a cada aplicação. Na verdade cada quimioterapia é como uma caixinha de surpresas.
Desta vez minha caixinha veio com uma surpresa boa!
Espero que continue assim!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Como conviver com essa careca??

Olha, ainda estou tentando me acostumar com a novidade. Faz uma semana que estou careca e até agora não tive grandes dificuldades, mas não vou mentir não, é bem estranho...
Por enquanto estou usando mais lenço, pois a peruca me machuca um pouco.
Os cabelos não caíram 100% e os toquinhos que ficam incomodam demais.
Com lenços fico com um visual meio muçulmana, mas não é de todo mal. Já com a peruca, estranho um pouco. É uma coisa nova, estranha, que não faz parte de você sabe.... Até ficou bem natural, próxima do corte que eu sempre usei nos últimos tempos, mas o problema é que eu sei que é peruca e acho que todo mundo que me olha também sabe. É engraçado, mas vou ter que me acostumar.
O lenço até que fica bem bacana, um visual legal, um acessório, mas o problema é que você passa a ser a atração local, ondo você aparece todos ficam te olhando com aquela cara de ué.
É até engraçado a cara de curiosidade das pessoas, no elevador então chega a ser cômico, você lá com aquele lenço e as pessoas tentando disfarçar, mas você percebe que no fundo uma curiosidade enorme sonda aquele local.
A vontade que tenho é de falar "gente, tive um câncer, estou em tratamento, careca, mas vou sobreviver", mas imagina só a situação? Não dá né.
O negócio é ter paciência, afinal, é natural a curiosidade das pessoas, apesar de cruel.
Acho que com o tempo a gente acostuma, ou ao menos suporta esses olhares críticos.

Vamos lá, turma dos carecas, sempre firmes e fortes!!

sábado, 8 de outubro de 2011

ADEUS CABELOS!

Como já esperava, com 18 dias meus cabelos começaram a cair. No início foram uns fios aqui, outro ali, no dia seguinte mais um pouco, aí já fui ao salão de cabeleireiro e cortei curto como nunca havia cortado. Até que gostei, mas infelizmente não durou muito meu novo visual, uns 4 dias no máximo e tive que passar a máquina. Foi opção minha, mas realmente não estava mais aguentando aquele monte de fios caindo, quando espirrava caía cabelo, quando me olhava no espelho tinha um monte de cabelos caídos pelos ombros e costas, não dava... me irritou muito e achei que se passasse a máquina acabaria logo com isso. E foi o que fiz. Esperei meu marido chegar do trabalho e incumbi ele dessa tarefa. Coitado...
Foi tranquilo, não chorei, tentei levar numa boa até porque tinha meus filhos e sei que isso iria chocá-los de alguma forma, claro que não deve ser fácil ver sua mãe careca né...
Agi naturalmente, eles já sabiam que eu iria perder os cabelos e levei como se fosse uma coisa boba. Deram umas risadas e eu ri junto. O que a gente não faz pelos filhos...
Depois, até me acostumar levei vários sustos, quando passava em frente a um espelho ou quando estava distraída e de repente via minha imagem refletida em algum lugar, mas tudo bem, aos poucos vamos nos acostumando.
Agora é caprichar na maquiagem, afinal, não preciso mais me preocupar com os cabelos!
Que piadinha horrível, mas a verdade é que tento me arrumar pra me olhar no espelho e estar com uma cara boa, na medida do possível né, detesto essa cara de doente que a gente fica... Capricho no rímel (enquanto ainda tenho cílios), um bom blush para ficar corada, corretivo para as olheiras e um batonzinho básico não faz mal a ninguém!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

1ª Quimioterapia

Pois é, 20/09 minha primeira quimio.
Esperei tanto por ela, que na véspera me lembrou a ansiedade que eu tinha quando criança na noite que antecedia os passeios ao Playcenter...
É minha gente, o susto de saber que se tem o CA é tão grande, o medo de morrer é tanto,  que no fim a vontade de fazer a quimio, de saber que tem um monte de drogas dentro de você para acabar com as malditas células cancerígenas, e mesmo sabendo que vai destruir as células boas também e que com isso vou ficar carequinhas entre outras coisas mais, mesmo assim,  a quimio para mim se compara a uma deliciosa ida a um parque de diversões... noossa, como nossos valores mudam!
Não por nada, podem até me achar louca, mas minha vontade de exterminar esta doença maldita, que me pegou tão de surpresa e transformou minha vida em questão de minutos, é tanta que estou disposta a fazer  qualquer coisa. Se precisar sofrer vou sofrer, se doer vou aguentar, mas quero tentar de tudo, tudo mesmo.
Vou fazer 8 sessões, 4 da vermelhinha já tão conhecida e temida e 4 da branquinha, que dizem ser mais amena.
Minha primeira experiência com a vermelhinha não foi das piores, como a médica já havia falado, tive alguns dias de enjôo, uma canseira imensa, uma dor no corpo de vez em quando, chegou a dar até uma febre em uma noite, mas nada que não desse pra aguentar. Isso só na primeira semana, depois vida normal.
Agora é esperar pela próxima...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

A difícil arte de dar uma má notícia... Parte II

Primeiro alvo: minhas irmãs... coitadas.
A Adri foi a primeira vítima, e acho que o método que escolhi foi um pouco cruel, por telefone. Que dó...
A Dani então, foi pior, pois não tive coragem de encarar ela e aquele barrigão e acabei recorrendo ao marido dela, que ficou incumbido de contar.
Passado o impacto da notícia, a reação das minhas irmãs foi exatamente o que eu esperava, nos encontramos no dia seguinte, e lá estavam elas, confiantes, sorridentes, nada de baixo astral, só palavras de força, incentivo, tudo numa boa, regado a muitas risadas, sem choros, sem lamentações, tudo o que eu mais queria ouvir elas falaram, a reação delas foi exatamente a reação que eu teria diante uma situação destas, e mais ainda, exatamente o que eu queria encontrar. Não é a toa que temos o mesmo sangue né... elas me conhecem demais, temos uma ligação muito forte, fomos criadas em um ambiente maravilhoso, e desde cedo aprendemos a essência da palavra "famíla", que sempre vem junto de proteção, carinho e cuidado. Sempre foi e será assim, uma cuidando da outra, como se fossemos uma leoa cuidando de sua cria.
 Minhas irmãs são minhas melhores amigas, com que eu posso contar a qualquer hora, em qualquer lugar e em qualquer situação. Como é bom tê-las ao meu lado, dando o ritmo que eu escolhi para minha doença, o bom humor e a coragem sempre.
A Adri tem sido minha "dama de companhia", vai comigo pra tudo que é lugar, fazer exames, buscar exames, médico, hospital, tudo, não me deixa nem por um minuto, e quando me deixa, que é na hora de dormir, fica me ligando pra saber se estou bem. É minha companheira de vida!
A Dani, tadinha, tá se virando como pode para me ajudar, uma vez que a barriga está pesando, mas também é naquele esquema escoteiro, sempre alerta! Morro de dó, pois estraguei o momento mais especial da vida dela, e por incrível que pareça, ela me devolve em cuidado e carinho sempre.
Ahh! No meio de toda essa confusão, ainda estávamos com o problema do meu pai.Lembra que eu falei em um post anterior que meu pai teve um infarto no dia 24/06 e acabou passando por uma cirurgia as pressas? Pois é, depois disso ele teve uma recuperação super difícil e algumas complicações. Foram momentos terríveis, e com o agravante de que minha mãe estava se mostrando desanimada e depressiva com tudo aquilo que estava acontecendo. Enfim, depois de quase um mês de hospital ele, finalmente, teve alta e foi pra casa.
No dia em que fui ao mastologista e recebi a confirmação do meu câncer, meu pai acabou sendo internado novamente. Aí situação ficou cômica, para não dizer trágica. Nós 3 indo visitar meu pai no hospital, fingindo que nada estava acontecendo e sabendo que uma hora teríamos que contar tudo.
Até pensamos em contar só para minha mãe, mas definitivamente não dava. Como chegar para uma pessoa que toda hora estava chorando por que meu pai não melhorava, e porque tava cansada de tudo aquilo e falar ..."pois é mãe, tenho mais uma novidade para te contar: estou com câncer!? Sem condições...
Aí foi, nós 3 fingindo que nada estava acontecendo, e meu pai lá, esperando tudo se regular para poder ir para casa.
Nisso eu já estava com a cirurgia marcada, tudo programado e acertado.Meu pai teve alta no domingo, dia 07 e eu iria operar na quinta, dia 11.
Na segunda feira após a alta, até fomos lá com a intensão de contar o que estava acontecendo ao menos para minha mãe, mas....amarelamos.
Ninguém conseguiu contar. Naquele dia, em especial, minha mãe estava pior que os outros dias, triste, chorando por tudo, se a pressão do meu pai tava alta ela chorava, se tava baixa ela chorava, se tava boa ela chorava... um rio de lágrimas.... chorou até porque ele tinha que seguir uma dieta.
E assim foi, a semana seguiu, ninguém teve coragem de contar e na 5ª feira eu fui,  firme e forte,  para a tão esperada cirurgia.
No meio de toda essa confusão generalizada, eu operei, minha irmã contou pra eles tudo o que estava acontecendo e todo mundo sobreviveu.
É...todo mundo sobrevive a uma má notícia, a não ser que tenha problemas cardíacos, que não era mais o nosso caso, Graças a Deus!
Com tudo isso, meu pai acabou se recuperando da cirurgia, minha mãe tomou um choque tão grande que parou de chorar e agora parece que está mais forte, como todas as mulheres da nossa família. (ela estava uma ovelha desgarrada com toda aquela lamentação e depressão)
Nós somos assim, se a vida nos dá um limão, fazemos uma limonada, se nos dá uma laranja, fazemos uma laranjada, e se nos dá uma porrada, fazemos dela uma luta do UFC!!
PS: nós somos o Anderson Silva! Vencemos todas!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O difícil arte de dar uma má notícia... Parte I

Vamos voltar um pouco no tempo...
Contar para as pessoas que eu tanto amo, que estava com um câncer de mama não foi uma tarefa nada fácil.
Aliás, na minha opinião, foi mais difícil do que receber a notícia...
Quando o médico me falou que meu nódulo era muito suspeito, eu já estava bem certa de que realmente era um câncer. Não que eu seja uma adivinha, longe de mim, mas a cara dos médicos quando viam minha mamografia com aquela descrição do nódulo "espiculado" e com um enorme Bi-Rads 5, não deixavam dúvidas. Claro que a ética médica sempre fala mais alto, e, até que eu recebesse o resultado da biópsia, nenhum médico confirmou que era um câncer, mas graças a minha ansiedade crônica misturada com uma curiosidade aguçada eu mergulhei na internet (lembra da fase da pesquisa? Pois é...)  e tive a certeza de que meu nódulo era um câncer. Só que a internet te dá muita informação, mas nem sempre te esclarece as dúvidas. E foi isso que me aconteceu. Como eu não era uma médica, lógico, fiquei com a cabeça a mil, ou melhor, a milhão, com aquele monte de informações que eu não conseguia colocar em uma ordem e muito menos chegar a uma conclusão, resultado, mais dúvidas e váaarias noites sem dormir, até o dia da consulta.
Quando meu mastologista me falou do resultado da biopsia, com a confirmação do CA, eu estava com meu marido, que é um cara maravilhosos e ficou lá, do meu lado,  firme e forte e não me deixou abalar nem por um minuto. Ele realmente está sendo maravilhoso em todos os sentidos, muito mais do que eu poderia imaginar... É a minha força, meu porto seguro.
Depois, veio a difícil missão de passar a diante essa péssima notícia, que eu já vinha digerindo a dias.
Eu tenho uma teoria, e nisso acho que todos concordam, de que dar uma boa notícia é uma delícia, mas dar uma má notícia, é uma coisa chata, ingrata, literalmente uma merda! Isso mesmo, merda, não tem palavra que defina melhor uma má notícia. Num mundo cheio de pessoas geniais, ninguém, até hoje, conseguiu inventar ainda uma forma legal de dar uma má notícia.
E lá fui eu, com minha caixinha de surpresas, para a infelicidade de todos que me rodeiam...

Banho é muito bom!!

Ontem fui ao mastologista e finalmente começamos a retirar alguns pontos da cirurgia. Agora ele também me liberou dos curativos e, até que enfim, vou poder tomar um banho de verdade...nem lembro mais como é um banho sem ter que ficar me embalando em filme plástico para não molhar as peitolas...
O Dr. Érico me falou que minhas mamas estão ótimas, cicatrizando super bem, tudo sequinho e na mais perfeita ordem, e ainda brincou que elas estão bem melhores que os meus pulmões...rsrs
Quando cheguei em casa fui correndo para o espelho, olhar como realmente ficaram meus peitos, afinal desde a cirurgia estavam sempre com o curativo. Olha, não vou falar que está lindo, pois as auréolas costuradas(ainda estão com os pontos) causam uma péssima impressão, lembra o Frankeinstein, mas eu confesso que estou amando eles mesmo assim... só de pensar que estive muito perto de perdê-los totalmente, consigo olhá-los com outros olhos e simplesmente amei!!
Estou apaixonada por eles novamente... meus Peitos, que já me trouxeram tantas alegrias, como a sensação única de amamentar meus filhos, e que a pouco mais de um mês também me trouxe a maior decepção da minha vida, que foi meu diagnóstico de câncer... Tantos sentimentos controversos, mas hoje estou muito feliz com eles!!
Saiu o resultado do anátomo patológico  e agora tenho que ir ao oncologista para falarmos sobre o tratamento, mas adivinha???!! Vou ter que esperar um pouco até melhorar 100% da anemia, pois quimioterapia com anemia nem pensar...não combinam...são como água e óleo
Bom, de qualquer forma marquei a consulta para a próxima 2ª feira e vamos ver o que a Dra. vai me falar. Estou ansiosa para começar este tratamento logo, e esta ansiedade tá me corroendo por dentro e me deixando com a lombar em frangalhos. É tanta tensão que minha coluna tá me matando, mais um probleminha para minha coleção...
Espero estar recuperada até a data da consulta, quero muito ir pra cima de qualquer vestígio que possa ter ficado em meu corpo, quero ir para o combate como um soldado que vai pra guerra.
Só de pensar que alguma célula pode ter ficado me deixa irritada, quero que elas mooorram todas! Quimio nelas!! Sai deste corpo que não te pertence!!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Pequenas coisa...

Primeiramente desculpem o mau humor do post anterior, mas meu humor tem oscilado demais neste últimos tempos, acho que é o excesso de espera que me deixa irritada...
Bom, hoje estou melhor, queee boooom!! Dentro do que é estar melhor no meu estado claro...
É que as coisas vão se acumulando, os últimos dias mudaram totalmente minha rotina, estou proibida de fazer tudo, dirigir nem pensar, cozinhar nem pensar, abraçar meus filhos nem pensar, dormir de conchinha nem pensar, respirar...a tá respirar pode! Não posso mover os braços por causa da cirurgia, estou vivendo uma fase T Rex...
Como eu já estava de repouso por causa da cirurgia e descobri mais a bronco pneumonia e a anemia, estou de REPOUSO ABSOLUTO.
Tomara que eu não ache mais nada...
E logo agora que eu estava começando a sair de casa, claro que era só pra ir ao médico, mas já estava toda feliz... isso é que é dar valor para as pequenas coisas... feliz de ir ao médico?! O situação !!
Mas é isso, acho que estou exercitando meu lado zen e me tornando um ser humano melhor, olho pela sacada e vejo a feira de domingo e chego a ter inveja das pessoas que podem ir a feira... inveja mesmo, fico imaginando eu descendo e comprando um pé de alface, já imaginou que delícia!! Aqueles feirantes gritando na nossa orelha " Ohh dona maria!!", e ao contrário de antes que eu odiava, eu iria ficar feliz da vida de ouvir eles me chamando assim... ai que carência!!

E na padaria então?? Que delícia poder descer, ir até a "Panrico"(a padaria da esquina) e compra 8 pãezinhos... nooossa!! Mercado então, não vou nem comentar...

Percebi que coisas simples, do nosso cotidiano, que a gente detesta fazer, passa a ter o maior valor nessas horas...
Mas, como já dizia Cazuza, "faz parte do meu show...", então, cama lá vou eu.... tenho repousado tanto que meu repertório de sonhos esgotaram. Ontem sonhei com a Ana Maria Braga, e hoje acordei conversando com o Edu Guedes...  Ai meu Deus!! To com medo do próximo...


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

CÂNCER, CÂNCER, CÂNCER...

Há menos de 2 meses convivendo com meu diagnóstico de Câncer de Mama, descobri o quanto as pessoas são resistentes ao receber a notícia de um câncer. Elas tem medo até de pronunciar a palavra... já ouvi "doença ruim", "aquela doença"...
Poxa, quando recebi a notícia não fiquei feliz claro, mas pensei : agora que tenho o diagnóstico vou em frente me tratar. 
Só que tenho me aborrecido demais com um monte de gente chata, que fica tentando me convencer de que "talvez eu não precise da quimio", ou "pode ser que não seja câncer, uma amiga fez biopsia e aí o resultado foi negativo", ou "pode ser que você nem perca os cabelos (como se esse fosse o maior dos meus problemas...), tem tia minha rezando até hoje para que não seja câncer... poxa eu já falei que é, mas mesmo assim me liga e fica falando:
Vamos esperar o resultado biopsia, eu tenho esperança! Pô, esperança de que?? Já falei que é */#*F%#*... (não posso escrever o que estou pensando que é muito feio)!
Tem também a quelas que ficam te olhando com uma cara de enterro, com lágrimas nos olhos, como se eu estivesse no corredor da morte...
VOU FALAR DE NOVO:
EU ESTOU COM CÂNCER E VOU ME TRATAR COMO TODAS AS PESSOAS QUE TEM OU TIVERAM ESTA DOENÇA!!
É difícil desse povo entender? Onde está a dificuldade? Vou ter que desenhar?


Tudo bem, eu entendo que se fosse minha avó seria a mesma coisa, ela nem falava o nome Câncer, era uma palavra feia,  sei que é mesmo da cultura antiga, que eles pensam assim mesmo, que foi uma geração que sofreu muito com a falta de informação e tudo mais, mas as pessoas precisam entender que a última coisa que a gente quer ouvir neste momento é esse tipo de coisa... tudo bem, sei que eu tô um pouco chata demais, mas é que as pessoas te cercam e ficam lamentando... é difícil viu!!

Voltando ao meu dia, passei pela consulta e como tenho tido febre a alguns dias, mesmo tomando antibiótico meu médico pediu um RX de tórax e um exame de sangue para averiguar o porquê desta febre insistente.
Resultado, uma bronco pneumonia e uma anemia.
Toda vez que procuro o resultado de uma coisa acho outra?! Literalmente quem procura acha!!
E lá vamos nós, cuidar da anemia, dos pumões para estar inteirinha e pronta para iniciar meu tratamento.

Bom, por hoje é isso!  



segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Estou de PPC "Periodo pós cirurgia"

Fiz minha cirurgia na última 5ª feira dia 11 e desde então não postei mais nada, o porque é obvio né... Tô me sentindo atropelada por um trem...
A cirurgia foi bem longa, entrei no centro cirúrgico as 17:30 e acordei lá eram 00:15, aí fui pra recuperação e de lá só saí as 03:20 hs da matina, quase matei meu pessoal do coração.
Pelo tempo deu pra ver que o negócio foi grande né... Saí do hospital no sábado e até então tô aqui de PPC "Período pós cirúrgia"
Quando eu estiver melhor escrevo e contou como foi tudo.
Grande beijo a todos que estão na torcida por mim!!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Meu gato subiu no telhado...

Esses dias estava pensando em como será meu tratamento. Tenho certeza que vou ter que fazer quimio, pois por mais que os médicos dizem que temos que esperar pra saber se será necessário, no fundo sinto que vou ter que enfrentá-la. O que na verdade eu acho bom, prefiro fazer a quimio,  pois vou me sentir mais segura de que realmente estou destruindo qualquer vestígio desta doença ingrata. Pode até ser bobeira minha, mas eu sinto isso, tenho vontade de destruir estas células malígnas, de exterminá-las do meu corpo. Sinto que elas são intrusas, não são bem vindas aqui, quero que elas sejam exterminadas... Sai que este corpo não te pertence!!
Daí começo a imaginar como será, sei que é um processo difícil e que muitas mudanças acontecem com nosso corpo nesse período. Aí começo a pensar na perda dos cabelos claro, por mais que a gente fale que é um negócio passageiro, que o cabelo nasce de novo, isso afeta demais a auto estima de qualquer mulher. É um sentimento esquisito, eu quero fazer a quimio para me curar, digo que não ligo se perder o cabelo, que o que me importa no momento é acabar com essa doença, mas no fundo no fundo fico pensando em como será. Já fui na frente do espelho diversas vezes, puxei todo meu cabelo para trás para imaginar como ficaria careca, tampo com a mão, ponho uma faixa para visualizar melhor, uma coisa louca. Imagino que todo mundo passa por isso né? Ou será que sou doida mesmo? Sei lá, o que sei é que não consegui me visualizar careca, depois penso nas sombrancelhas e cílios que também devem cair e acho que vou é ficar bem esquisita... muito esquisita...
Falei pro meu marido que vou tatuar na minha careca um telhado com um gatinho em cima, aí as pessoas vão me olhar com  aquela cara de curiosidade e já vão logo entender o que aconteceu comigo quando  verem minha tatuagem  "meu gato subiu no telhado...", quando nascer o cabelo cobre a tatuagem e é sinal que meu gato desceu do telhado e que as coisas estão melhorando...ele disse que sou louca! Será? Mas a ideia é criativa né...

Pegadas na areia


Uma pessoa especial me falou para ler este texto que seria reconfortante...
Li e vou postá-lo aqui para que eu possa ler sempre, e me lembrar 
que nas horas difíceis Ele estará sempre comigo... 



segunda-feira, 8 de agosto de 2011

A tranquilidade volta a reinar...será??

Graças a Deus hoje acordei bem melhor. O mau humor que me assombrou nestes últimos dias está passando, devagar mas está passando...
Não é que esteja de mau humor, mas esta ansiedade está me consumindo e as vezes acaba tomando conta e me irrita profundamente.
Não vejo a hora que passe esta cirurgia... Detesto esperar...
Ando dormindo muito mal, tenho pesadelos, tá difícil... esta noite fui dormir mais de 04:00hs da manhã, aí depois desta insônia chata ainda sonhei que meu marido tinha morrido...pode?? Tô até matando meu marido?!
Pô, morrer e me deixar nesta situação? Só o que me faltava!! Já avisei ele que nem pensar!!
Ainda bem que esse pesadelo me rendeu algumas risadas ao longo do dia, porque o Alê passou o dia me enchendo o saco por causa disso.
Ainda demos umas risadas, porque ele falou que ele tava achando que ia passar ileso nesta TPM e que nos 45 minutos do segundo tempo acabou vacilando e tomou uma invertida minha...rsrs
Tadinho... ontem dei uma estressada com ele por nada...só porque ele queria ir embora da livraria e eu tava distraída lendo e aquilo me irritou.. que neurótica!!
O Alê é uma pessoa maravilhosa, o companheiro perfeito, um pai espetacular e dedicado, ! Me apoia em tudo e tá me ajudando demais. Me faz rir o tempo todo que está comigo, não deixa a peteca cair nunca, me dá uma força gigante...após 17 anos de casados (fizemos no último dia 30, presentão que dei pra ele né...),  tenho certeza que é a pessoa que quero ao meu lado para o resto da minha vida...

domingo, 7 de agosto de 2011

Espera + TPM = Uma mulher a beira de um ataque de nervos

Como tenho relatado aqui, eu até que estou levando tudo isso numa boa, se é que se pode levar um câncer "numa boa" né... Mas de qualquer forma estou tentando levar minha vida normal, sem ficar pensando muito, me desesperando, chorando feito doida.
Tento me distrair ao máximo, não ficar pensando na doença, no tratamento e em tudo que virá por aí. Continuo alegre, dando risada e fazendo piadas de tudo como sempre fui, até por que não quero que meus filhos me vejam pra baixo.
Mas a verdade, é que se eu parar para pensar e for falar a real mesmo, a vontade que eu tenho é de gritar, gritar muito até ficar rouca, me arrancar os cabelos e chorar, chorar até secar meu estoque de lágrimas, me jogar no chão e espernear igual a uma criança mal educada, chutar tudo que tem na frente, bater a cabeça na parede... Ufa!!!  Infelizmente nada disso iria adiantar ou ao menos melhorar minha situação, aliás, só iria piorar e muito, afinal ia ficar rouca, careca, com a cara inchada de tanto chorar, cheia de hematomas, manca, com a cabeça cheia de galos e ia continuar com meu câncer de mama... Sorte que pensei em tudo isso antes de executar meu "plano de desabafo" e assim preservei um pouquinho da minha dignidade... Posso até ficar careca, mas não vou ser eu quem vai arrancar meus cabelos, eles vão cair sozinhos...
Para piorar estou de TPM... deveria existir uma lei que proibisse uma mulher que já está passando por tudo isso de entrar na TPM, é muito cruel, tô com uma oscilação de humor que nem eu tenho me aguentado. Uma irritação tão intensa que me dá ódio até das almofadas do sofá...
O negócio tá tão tenso que nada me distrai, tô com raiva até do mocinho do livro que eu estou lendo, e olha que ele nem fez nada para a mocinha!
Sei que tá dificil estes dias, acho que misturou tudo, a tensão da espera pela cirurgia que está bem próxima (já é nesta 5ª feira), uma insônia terrível, uma dor na lombar que me deixou travada, TPM... eeelaiá...
Pra distrair fomos ao cinema esta tarde assistir Os Smurfs, eu tava louca pra ver pois adorava o desenho na minha infância. Resultado: tô com ódio da Smurfet, do Papai Smurf e de tudo que for azul e que me lembrar um Smurf... sem comentar a musiquinha que entra na cabeça e aí você passa o resto do dia cantando... la la lala lala la lala lala...
Acho melhor ir deitar e ver se consigo dormir, será melhor para o mundo...amanhã é outro dia...

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Contagem Regressiva...

Estou em contagem regressiva para o dia da cirurgia. Já verifiquei tudo, hospital, internação, exames pré operatórios, tá tudo ok. Aliás, já verifiquei tudo um monte de vezes, vi, conferi... Agora é só esperar.
Pior que essa espera me mata, é uma sensação de "coisa pendente" que não deixa a gente pensar em outra coisa. Oh ansiedade crônica!
Eu durmo e acordo pensando nisso. As vezes me pego perdida em meus pensamentos, viajando, pensando, pensando, é angustiante... mas tudo isso vai passar, falta pouco, depois da cirurgia é uma nova etapa. Aliás vou pensar em tudo como uma etapa vencida, primeiro a cirurgia, depois o tratamento e tudo o mais que tiver que enfrentar. E olha que não vai ser pouca coisa... mas vamos em frente sem desanimar.
De resto as coisas continuam na mesma, meu pai continua internado, esperando estabilizar a parte renal para que ele possa ter alta e vir para casa. Minha mãe ainda não sabe de nada que está acontecendo comigo, nem dá pra contar ainda, ela tem ficado direto com meu pai no hospital e não rola eu chegar com uma notícia dessas né... conversei com minhas irmãs e achamos melhor esperar ele ir para casa, ela estar mais calma com o estado dele, a minha cirurgia passar e depois falamos com calma. Sei que ela vai ficar p.. da vida com a gente, mas não tem a menor condição de contar agora, ela iria pirar...
Hoje é sexta, faltam 6 dias...

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Susto e risadas...

Nossa, essa semana quase tive um treco!
Lembra que falei que fiz a ressonância da coluna lombar? Pois é, me ligaram do laboratório para um recrutamento para novo exame, pois o médico estava com dúvidas em algumas imagens do meu exame e não podia fechar o laudo assim. Tive que fazer nova ressonância magnética, desta vez com injeção de contraste e uma tomografia para amparar no resultado dos laudos.
Imagina minha cabeça?? Tava tranquila e de repente tive uma recaída da "Fase Paranoica", pois é, comecei a imaginar que estava com um tumor na coluna e que o médico estava pedindo novos exames para confirmar, que eu teria que operar a coluna também, e aí foi, minha imaginação fértil começou a fluir...paranoia total. Ôh coisa doida!! Tô tirando carteirinha em viajar na maionese!
No dia seguinte tava mais calma, parei, respirei e vi que o melhor era esperar o resultado do exame,  que aliás, eu já devia estar craque em esperar, pois é o que mais tenho feito nos últimos tempos.
Depois fomos ao hospital visitar o Nôno (meu pai), que foi internado de novo com umas complicaçõezinhas básicas...consertou o coração mas estragou o resto, tá com a glicemia alterada, a cretinina baixa, o potássio alto e tudo mais que deveria estar certo tá alterado.
Fomos as 3, as irmãs cajazeiras, eu, a Adri e a Dani, o que é sempre bom,  pois rende boas risadas... é tanta coisa ruim acontecendo ao mesmo tempo que acabamos rindo de nós mesmas... que situação desgraçada!
Sempre começa assim: oi tudo bem? Tudo óootemo, se melhorar estraga!!
Chegamos ao hospital e a Adri já começou:
- Pai, a gente tá tão conhecido aqui no hospital que vamos entrar pro amigo secreto do fim do ano...
O pior é que é verdade, estamos tão conhecidas que todo mundo fez festa quando viu a gente chegar, o cara do estacionamento veio falar com a gente, a menina da lanchonete , a recepcionista, sem contar os enfermeiros... parece piada né...
A  Dani tadinha, com quela barriguinha de vasinho que cresce a cada dia, passando por tudo isso! Ela é forte, tá levando numa boa, mas dá uma peninha... mas aí a gente faz umas piadas e tudo fica melhor. Falei pra ela que o "bebezão" deve tá pensando que ela é médica, de tanto que ela vai no hospital... Ôh dó...
Mas é isso aí, vamos rindo da situação que é mais fácil de enfrentá-la...

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Mulher de fases

Esse negócio de câncer de mama tem me afetado muito.
Ando literalmente uma "mulher de fases", o que andei lendo e é completamente normal.
Esse período entre a descoberta da doença, a cirurgia em si e o início do tratamento é massante.

Quase uma tortura chinesa. Os dias não passam, os resultados dos exames demoram a sair e você se torna escrava dos seus pensamentos e da sua ansiedade. 
A expectativa, a euforia, esperança, a tristeza, a angústia, a tensão, todos os sentimento se misturam neste período.
Aprendi da forma mais difícil, o que é viver uma fase de cada vez, logo eu que sofro de ansiedade crônica.
A cada dia faço novas descoberta e passo a me conhecer melhor. 
Já passei pela "Fase da Expectativa", onde você se agarra as chances mais improváveis de ter havido um erro no resultado do exame, ou da máquina de mamografia estar com defeito e que tudo não passou de um mero engano.
Passei pela "Fase da Euforia" muito rapidamente, quando você recebe a confirmação: você realmente está com um câncer de mama. É uma sensação muito estranha, num primeiro momento você se choca mas depois de um período você se descobre a mulher maravilha, com todos aqueles poderes, com toda aquela força, aquela garra, e parte pra cima da sua doença com a maior coragem do mundo, se achando invencível, infelizmente depois de algumas horas isso passa e você cai na real. 
Iniciou-se então a "Fase Cultural", onde você passa a fuçar na internet, e começa a ler tudo e todo conteúdo referente a câncer de mama. Neste período quase me tornei uma medica autodidata, já estava interpretando os resultados dos meus exames (como vocês viram nos posts anteriores) antes mesmo de levá-los ao médico. Li tanto, dia e noite, que estava mais íntima do google do que do meu marido... Claro que devido a este excesso de informações desencontradas, o resultado é o incio de uma "Fase Paranoica". 
Você começa a sentir um monte de dores pelo corpo que você nunca sentiu, e todas essas dores você passa a ter certeza que é uma metástase, que sua doença está se espalhando, viaja completamente na maionese. Pois é eu passei por isso. Doía minhas costa e achava que a doença estava se espalhando pela coluna ou pelos ossos, tossia e achava que estava espalhando pelo pulmão, espirrava e achava que meu nariz ia cair por causa do câncer.. coisa de gente paranoica mesmo!
Nesta hora percebi que era preciso por o pé no freio e respirar um pouco, e colocar a cabeça no lugar.
Parei com tudo, google nem pensar, estamos de mal, relações cortadas por um bom tempo. Essa loucura de achar que tudo é câncer também dei um tempo, apesar de ter ido ao ortopedista que me pediu uma ressonância da coluna e bacia, já que tinha o pedido fiz o exame né... sabe como é, melhor garantir...
Mas parei de pensar um pouco na doença e dei um tempo para mim.
Fiquei uns bons dias sem entrar na internet (como vocês pode perceber), comprei um monte de livros tipo esses romances água com açúcar da Sandra Brownn, e comecei a ler. Li um livro atrás do outro, para não me permitir voltar aquela paranoia, no total devo ter lido uns 8 livros em 1 semana... é muito bom, você desliga de tudo, distrai a cabeça, viaja a lugares maravilhosos e tem a certeza de um final feliz e com direito a beijo na boca, quer coisa melhor? Esse livros podem até ser bobos, romances água com açúcar, mas para mim funcionou que foi uma beleza... as vezes precisamos de fugir da realidade e sonhar um pouco, faz bem para a alma...

terça-feira, 26 de julho de 2011

Um pouco sobre o câncer de mama

O câncer de mama é uma doença tratável, especialmente quando diagnosticado precocemente. 
No Brasil, a maior incidência desse tumor ocorre por volta dos 59 anos, o que não descarta casos em pacientes jovens (com menos de 30 anos) e em idosas (com mais de 80 anos). 
O câncer de mama se inicia como um nódulo geralmente indolor, que cresce com o tempo e pode se espalhar para áreas próximas à mama, como músculos e pele. Com a realização de exames de rastreamento, como o autoexame mensal e o acompanhamento médico anual, aumenta-se a chance do tumor ser detectado precocemente, o que amplia a possibilidade de cura e permite o uso de tratamentos menos agressivos. 
Quando detectado em sua fase inicial, o tratamento para câncer de mama tende a ter mais êxito, dessa forma é essencial que a mulher faça um acompanhamento médico regular, especialmente se notar a presença de um nódulo.


No meu caso, sempre fiz as visitas periódicas ao ginecologista, mas até hoje nenhum deles haviam me pedido uma mamografia. Só examinavam as mamas e nada mais.
Eu, como qualquer mulher, nunca pensei em ter um câncer de mama, primeiro porque nunca tive casos na família, segundo porque amamentei meus filhos de monte, tinha medo de um câncer de útero, mas de mama...me pegou de surpresa confesso.
Considerando que é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres, e que podem ocorrer casos antes dos 30 anos, os médicos deveriam mudar este conceito de fazer a mamografia após os 35 anos e solicitar a mamografia, ou ao menos um simples ultrassom de mama, sempre que a gente faz o papanicolau, ou seja, uma vez por ano, após iniciarmos nossa vida sexual.
Por que fazemos exames precoces anuais de prevenção ao câncer de colo do útero e não fazemos o exames precoces para evitar o câncer de mama? 
Tem coisas que não dá pra entender....

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Mastologista

Ontem fui ao mastologista. Adorei!! Dr. Érico é daqueles médicos que te olham nos olhos e você vê que ele está sendo sincero. Prefiro assim.
Ele me falou o que eu já sabia, graças a minha curiosidade aguda.
Trata-se de um carcinoma ductal invasivo na mama esquerda, ou seja, um câncer de mama. Ele explicou que é um dos tipos mais comuns de câncer de mama, que se inicia nos ductos mamários. Invasivo, porque ele já ultrapassou os ductos onde se formou e invadiu parte dos tecidos que o rodeiam. Que maldito!!! O câncer, é claro, não o médico...
Falou também que está bem no início, tem menos de 2 cm, o que é muito positivo para um bom resultado no tratamento. (até que enfim uma notícia boa, mostrando que sempre existe um lado bom até nas piores coisas da vida.... que animador...)
Já me deu uma tonelada de papéis e marcou a cirurgia para dia 11/08. 
Agora me resta esperar a cirurgia e depois o tratamento... haja chocolate...
O Dr. já me adiantou que o que é certeza é a cirurgia e a radioterapia, uma vez que, não vamos tirar toda a mama e por isso é necessária a radioterapia para um tratamento de choque literalmente. 
Quanto a uma quimioterapia, que eu questionei se seria indicado, ele me disse que só depois da biopsia vamos saber qual o melhor tratamento amparados na opinião de um oncologista.
Bom, é isso o que sei até agora.
Chegando em casa tive que ligar para minhas irmãs, e acho que foi a parte mais difícil, afinal como dar uma notícia dessas sem deixar a pessoa arrasada... mas faz parte. Liguei e falei sem chorar ou fazer drama, é isso e pronto! Ufa! 
Só falei com uma, claro, afinal a minha irmã mais nova está grávida e vai ser mais complicado falar com ela, que está mais sensível e já passando por um momento duro com todo o problema do meu pai... olha que situação complicada, mas deve ter um lado bom, é o que dizem... (nesse caso tô procurando e ainda não achei)
Depois a noite acabou em pizza e risadas. Afinal a peteca não pode cair!!
Bola pra frente
Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!!

Cadê minhas lágrimas??

Desde que recebi a notícia do meu nódulo, ainda não consegui chorar, será que sou normal?? 
Minha irmã tava comigo e saiu chorando, meu marido ficou com os olhos cheios de lágrimas, minha mãe nem sabe de nada mas só de pensar em contar pra ela já vejo o drama...Tudo bem que chorar tem sido uma coisa muito difícil pra mim de uns anos prá cá, mas desta vez tenho motivos de sobra..
Eu protesto!!! Queria botar a boca no mundo, chorara até me acabar, afinal faz bem para a alma...

Olha que inveja!!!




Chá de sumiço...

Dei uma sumida estes dias... tava ocupada com meus vaaaaarios problemas. Pelo menos tirei um tempo da minha preocupação principal BIOPSIA.
Peguei o resultado na 4ª feira, levantei cedo e logo liguei na clínica para ver se estava pronto.
As 11 horas eles me ligaram avisando que o resultado havia chegado e lá fui eu.
Parei rapidão, peguei o envelope e já no 1º farol estava abrindo o resultado. Isso porque falei pra todo mundo que só iria pegar o resultado na sexta quando fosse na consulta do mastologista, que era na mesma clinica.
Bom, o farol abriu, tive que largar tudo e lá fui eu no caminho de casa. No próximo farol vermelho já estava lá fuçando nos envelopes...
Peguei o laudo e.... o farol abriu de novo... haja sangue frio!!
Por incrível que pareça não peguei mais nenhum farol fechado e logo estava entrando na garagem do prédio. Pronto, carro estacionado, desligado, silêncio total e ninguém para me interromper. Vamos ao resultado:
o laudo falava um monte de coisas que eu não entendia, porém a conclusão final estava bem clara, "Carcinoma ductal invasivo", ou seja, minhas suspeitas estavam confirmadas...
Guardei os envelopes, respirei fundo e subi para meu apartamento.
Gente, não sei o que acontece, mas eu não consegui chorar... será que meu estoque de lágrimas secou de tanto que eu chorava em filmes???
Bom, não sei o que acontece, mas por enquanto estou calma. Vou ficar na minha e não falar nada pra ninguém, só pro meu marido. Mais tarde  vou ao mastologista e depois vejo o que faço.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Tirando o curativo...

Gente, ontem eu ri muito depois de tirar o curativo...
É um furinho tão ridículo, tão minúsculo, que quase não dava para ver. Fiquei até com vergonha quando meu marido viu, ele que me ajudou a tirar o esparadrapo e não acreditou, pois nem achava o furinho...O pior é que eu quase desmaiei por causa disso!! Que vexame!
O médico falou que provavelmente ficaria roxo, mas até agora não ficou, nem um roxinho para justificar meu piripaque...
Bom, estou rindo mas no fundo estou mega-ansiosa, pois sou de carne e osso né (já liguei 3 vezes na clínica para ver se o resultado já chegou, mas infelizmente nada), acho que só no dia 20 mesmo vou conseguir saber do resultado da biopsia. Essa espera é de matar, a gente fica numa ansiedade louca, haja chocolate...
Bom, mas a vida segue e tenho um milhão de coisas para me distrair os pensamentos. Não que sejam coisas boas, mas analisando pelo lado bom (pois dizem que ele sempre existe, portanto eu não desisto de procurar, mas confesso que tá ficando cada vez mais difícil de achar...) me distrai a cabeça e toma um bocado do meu tempo e assim desligo um pouco do assunto mamografia, biopsia, exames, que tem me perseguido feito fantasmas.
Acreditem se quiser, mas meu pai está internado na UTI de um hospital, pois acabou de fazer uma cirurgia de ponte de safena, devido a um infarto sofrido no último dia 24 de junho. Pois é, véspera do aniversário do meu filho mais novo e meu pai me apronta essa... Aí na sequencia recebo a notícia do meu nódulo, imagina minha cabeça... saindo fumacinha... Mas aí eu faço a terapia do 1 calma, 2 calma, 3 calma, 4 calma, e melhoro um pouco. Tudo bem que antes melhorava no 10 e agora tô quase chegando nos 100... Mas tá valendo...
Bom, depois continuo a contar porque tem mais, coisas...
Agora vou me trocar e ir até o hospital que a visita na UTI é as 19:30 hs, e a visita noturna é minha.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Core Byopsia

Segunda feira fiz um exame que se chama Core byopsia de mama. Ele foi pedido pela minha médica para investigar o tipo de nódulo que tenho, saber se é maligno ou benigno, e mais algumas informações detalhadas.
Passei o fim de semana pesquisando que raio de exame era esse, e após quase me descabelar, resolvi que o google não é nosso melhor amigo nestas horas de agonia, ao contrário, piora tudo pois as informações são as mais diversas possíveis e acaba deixando nossa cabeça a ponto de explodir. Definitivamente a curiosidade mata...
Cheguei á clínica onde iria realizar o exame no horário marcado. Até que eu estava bem tranquila.
Demorou um pouquinho e logo me chamaram. O médico olhou os exames que levei, e começou a me explicar como seria o procedimento. Trata-se de uma punção com anestesia local, feita através de uma cânula fina, que tem dentro tem uma lanceta que retira os fragmentos do nódulo para que depois possam ser examinados e diagnosticados. Até aí tudo bem. Tirei minha blusa, me deitei na maca, e ele começou o exame.
Me falou que eu sentiria uma picada leve e um pequeno ardor. E foi exatamente assim, picadinha e ardidinho... gostos não é, mas é o que tinha para o momento...
Durante o exame fique acompanhando o procedimento pela tela do ultra som, vi a cânula entrar, senti o primeiro click que o aparelho faz ao retirar o fragmento e pronto, descobri que realmente de corajosa e tranquila eu não tenho nada... minha vista começou escurecer só de imaginar aquela cânula entrando em mim... fechei os olhos e continuei zonza, me sentindo uma idiota, pois não estava sentindo nada, mas meus pensamentos me traiam. Então, já tirei minha primeira conclusão: que minha sonhada lipoaspiração não iria acontecer nunca né, pois se com uma cânula do tamanho de uma agulha eu já tava daquele jeito imagina numa lipo??? É infarto na certa...
Permaneci assim, de olhos fechados e tentando pensar em outras coisas. Aí, era click, mais click, click, click, que saco, não parava mais aquele click e eu já estava enjoada daquilo, mas estava lá firmona feito uma geléia. Enfim o médico terminou, que alívio...
Pensando bem, vi que me senti mal mais pelo pavor e pela ansiedade de fazer um exame que eu não imaginava como seria, do que pelo procedimento em si, que realmente é como o médico falou, uma picadinha leve, um ardidinho e só, depois você não sente mais nada, tá tudo anestesiado.
Minha dica é: chá de camomila, suquinho de maracujá para ficar mais calminha e encarar este exame que é bem tranquilo, eu fui uma tola de me apavorar pois na verdade não dói nada mesmo, se doesse eu diria.
Ele me fez um curativo ridículo, amassou meu peito que é grande e ficou uma coisa horrorosa, só poderia tirar esse curativo no dia seguinte e o ponto falso depois de 3 dias.
Agora já estou no 3º dia e hoje vou tirar o último esparadrapinho que tá lá colado.
Depois do procedimento fui pra casa, não senti dor, só um encômodo para dormir a primeira noite. Na manhã seguinte vida normal, tudo bem tranquilo como o médico falou.
Sabe de uma coisa, não fiquem fuçando na internet, vendo vídeos, lendo diversas coisa que só servem para te confundir e apavorar. O médico é nosso melhor amigo nestas horas, só ele sabe te explicar exatamente o que vai acontecer. Se eu tivesse ficado na minha, tudo teria sido mais tranquilo...
Fuçar na internet nunca mais!!
Mais tarde vou tirar o esparadrapo e depois conto como foi..

Surpresas da vida...

Pois é, quando eu pensava estar sossegada, que ia dar uma pausa na correria, que ia organizar minhas coisas,    levo uma rasteira da vida... 
Minha rotina sempre foi uma loucura, como de qualquer outra mulher que é casada, tem filhos, trabalha, e para agravar, mora na cidade louca de São Paulo. Resolvi que era hora de dar uma desacelerada, ter mais tempos para meus 2 filhos, que hoje estão com 15 e 9 anos, meu marido, minha casa, e numa decisão que levou muito tempo pra ser tomada, parei com tudo que eu fazia e decidi que iria trabalhar em casa, fazendo uma coisa que eu amo, tendo mais tempo livre para minha família e para mim.
Vendi a loja que eu tinha, me livrei de um milhão de responsabilidades que pesavam diariamente em minhas costas e resolvi viver um pouco mais tranquila.
Na mesma semana em que entreguei a loja ao novo proprietário, achei que era hora de cuidar de mim e marcar algumas consultas de rotina que estavam atrasadas. Escolhi primeiramente o ginecologista, afinal é rapidinho, faço os exames, levo os resultados e logo estou em dia para cuidar de outra coisa.
Após a consulta, fui realizar alguns exames que foram pedidos, dentre eles uma mamografia, que eu nunca havia feito apesar de já estar com 37 anos. Não por descuido meu, mas porque os médicos nunca haviam pedido e eu sempre fiquei tranquila quanto a isso. 
Estava tranquilinha da minha vida quando  recebi a notícia que havia uma alteração na minha mamografia. A médica localizou um nódulo suspeito que deveria ser investigado com mais detalhes.
Que mundo pequeno né... nunca imaginei uma coisa dessas, não comigo claro! Afinal imaginava que estava fazendo tudo como deveria ser. Fazia minhas consultas anuais ao ginecologista, meus exames estavam em dia, sempre que lembrava fazia meu auto-exame das mamas no banho, amamentei meus 2 filhos e mais uma quantidade considerável de recém nascidos, pois doei muito leite materno no período de amamentação (eu era quase uma vaca holandesa de tanto leite que tinha), não tinha casos de câncer de mama na família.... é, eu tava tranquila.
E lá estava eu, tentando digerir aquela notícia indigesta, tendo que realizar vários outros exames, e tendo que esperar os resultados que parecem levar séculos para sair.
Administrar essa situação não é nada fácil, ainda mais para mim, que odeio esperar.
Resolvi então criar este blog, onde posso escreve tudo o que penso, uma forma de diário, relatando minhas ansiedades, inseguranças, medos, alegrias e muito mais.
Por enquanto estou aqui,  aguardando meus resultados e comendo chocolate feito uma louca.  A ansiedade faz isso comigo,  é mole??
Aliás, acho que vou lá comer uns alguns bombons para adoçar a mente e aliviar o estress...